Plantando Flores no Deserto

Henrique era mais um desses meninos de rua de história triste, que encontramos por ai. Do passado, nem gostava de lembrar. Ainda muito jovem, sua mãe o deixou em um orfanato e jamais voltou para buscar, sequer para visitá-lo. Não tardou para que fugisse para a rua e se juntasse a um grupo de pequenos contraventores da cidade.

Ao final de cada tarde, como de costume, deitava-se em qualquer canto, de uma calçada qualquer, a fim de passar as noites sempre frias. Era assim meses seguidos e o futuro era só uma palavra, que parecia não existir.

Não muito longe dali, Gustavo se preparava para deixar a sua empresa; a maior da região; um grande complexo industrial que crescia a ponto de ter filiais em todos os estados e até mesmo fora do pais.

Quando o motorista parou naquele sinal de trânsito por alguns segundos, Gustavo avistou Henrique na calçada a poucos metros dali. Toda sua trajetória de vida lhe veio à cabeça: Filho único de família rica herdara dos pais toda a fortuna e negócios. Jamais conhecera qualquer dificuldade; sequer conseguia imaginar como era dormir na rua; muito menos a razão daquele jovem rapaz estar passando a noite na calçada.

Em pouco tempo, triplicara a fortuna herdada, mas faltava-lhe tempo pra se dedicar em construir uma família.

O sinal abriu e o motorista arrancou novamente com o carro, mas Gustavo o fez parar poucos metros depois. Naqueles sessenta segundos do sinal fechado, passou por sua cabeça a possibilidade daquele menino ser o filho que não teve, e pediu a seu motorista que o convidasse para seguir com eles.

Henrique ainda dormia, quando o motorista o acordou. Meio assustado, finalmente concordou, e daí por diante sua vida jamais seria a mesma.

Depois de muitas conversas, Gustavo se empenhou em dar a Henrique tudo que fosse necessário, como se fosse seu próprio filho: Boas escolas, mestres particulares e professores de línguas; até mandá-lo para o exterior, e o matricular em umas das mais renomadas e conceituadas universidade do planeta.

Embora  os negócios ainda lhe tomasse todo tempo, Gustavo não deixava de ir ter com ele no exterior todo final de ano, e ficava impressionado com o progresso de Henrique. Tinha certeza que a sua intuição não o enganara. Henrique caminhava em passos largos e logo estaria em condições de assumir os seus negócios, aos quais ele dedicara toda sua vida.

No natal seguinte, Gustavo não apareceu e Henrique fora avisado de que deveria retornar ao Brasil com urgência, pois seu pai adotivo estava à beira da morte.

Quando chegou, o encontrou em uma UTI do hospital e mal conseguia falar. Seu estado era crítico, irreversível, diziam os médicos; coubera a Henrique dividir com ele aqueles seus últimos minutos de vida.

Ali, deitado a sua frente, estava o homem que havia mudando a sua história, e ele nunca o havia perguntado a razão de ter acreditado nele. Uma criança sem futuro, um grão de areia no deserto. Abriu os olhos por alguns segundos e antes que Henrique pudesse dizer alguma coisa, murmurou:

- “Apenas lhe mostrei os caminhos, Deus fez o resto”; foram as suas últimas palavras.

Deixou em testamento todas as suas posses e direção das empresas para o filho; contudo, Henrique herdara dele muito mais do que isso. Tornou-se administrador exemplar, ampliou os negócios e ajudou a todos que dividiram a vida com seu pai adotivo, e a tantos outros mais.

Um dia ordenou a seu piloto que preparasse o avião para viagem e o carregasse com as sementes que havia comprado.

- Qual o destino senhor? Indagou o piloto.

- “O deserto. Lançaremos as sementes no deserto”.

- “Senhor, desculpe a minha intromissão, mas não seria melhor lançar as sementes em terras férteis? De certo, lá elas iriam vingar”.

“Um dia, quando eu ainda era criança, não mais do que areia dos desertos; meu querido pai acreditou que de mim poderia brotar um homem, semeando na minha vida esperança de novos caminhos.

Bem sei que o que faço agora é semear flores no deserto. Sigo aquelas mesmas palavras do meu pai de que Deus faz o resto...                        



Carlos Lucchesi






Voltar