Será?

 

Talvez tudo tivesse começado mesmo naquele consultório dentário; isso é algo que nunca pude saber ao certo. As consultas se seguiam, e por força da prática da profissão, ele estava sempre muito próximo do seu rosto. Já havia visto muitos lábios, mas jamais tão provocantes como os dela. E o olhar... Era fulminante, e havia nele um traço de chamado, que ele, apesar da ética profissional, não conseguia deixar de evitar.

         Suportou a tentação vezes seguidas, até que um dia o desejo falou mais alto. Ainda com as ferramentas nas mãos ele a beijou intensamente, sem que ela fizesse um único movimento para desviar.

           A ida ao dentista tornou-se um escape, uma fuga da rotina, uma novidade esperada e desejada, que ela não conseguia encontrar no casamento, ao lado do marido.

         Durou o tempo exato do tratamento dentário. O que viria depois; nem mesmo ela seria capaz de prever.

          Havia  algo que a direcionava, a impulsionava para novos desafios. Talvez a própria índole, contra a qual era impossível relutar. Um desejo incontrolável de viver intensamente, de não desperdiçar cada precioso segundo, que a vida tinha a lhe oferecer.

         Mas certo ainda era que outros fatos semelhantes estariam por vir, e se sucederam ao longo de vários anos. Invariavelmente da mesma forma passageira, sem grandes compromissos, ou tempo maior para se apegar. Importava o momento; não desejava mudar a linha reta do seu casamento, mas encontrar novos caminhos, onde pudesse retornar e seguir novamente na direção deixada momentos atrás. Ao menos, antes que o tempo lhe tirasse a magia do olhar, o desejo daqueles seus lábios e a beleza que havia nos traços do seu rosto; o que inevitavelmente aconteceu...

          Já agora era só mais um rosto entre muitos, apenas um outro nome na agenda daqueles seus amigos do passado; como ela os costumava chamar. Mesmo assim, jamais cogitou de qualquer arrependimento. Nem dos beijos do dentista, ou de tantos outros momentos que viveu.

         Apesar de tudo, conseguira manter o casamento imune a tudo isso. Seu porto seguro, onde agora deveria definitivamente ficar.

          Será?



Carlos Lucchesi






Voltar